23 de jul de 2012

 Deixe em cima desta mesa um sorriso teu, para eu poder dizer que ele é meu também. Coloque tua mão novamente em cima da minha, assim fotografarei e colocarei ao lado de teu sorriso na mesa, para poder mostrar qual é o meu abrigo. Deixei a toalha pronta e a comida em cima da mesa.Deixei falar o que um dia eu quis calar.Deixei a casa sem barulho, para parecer que ainda é cedo, a porta entreaberta, o lençol um pouco amarrotado. Mas eles não vão ligar,querem mais é ver quem é o rapaz, o qual eu ouso chamar de "meu amor" ou simplesmente "bobão".
 Os convidados chegam, sorrio e abraço. Mostro-lhes a mesa, perguntas não demoram a surgir. "Quem é este rapaz?". Apenas continuo a sorrir sem pronunciar uma palavra sobre. Olhares curiosos passam a se formar.Meu sorriso se vai. Mas meu olhar logo me entrega, logo demonstra-lhes o que eu estava pensando, o que eu estava relembrando, o que eu estou vivendo. Não preciso mentir, todos já perceberam que a sensação do seu toque voltou a surgir em minha pele, perceberam que suas palavras voltaram a sussurrar delicadamente em meus ouvidos. Como disse, não preciso mentir, todos já perceberam o tamanho do sentimento que estou sentindo. Todos viram em meus olhos, o amor que ressurge e arde fortemente.Todos enxergaram o que sinto por esse rapaz.   
 Da voz da moça ouvia-se apenas gaguejo,assim, sensivelmente e arrebatador deixou escapar uma pergunta. "Fico engraçada quando estou apaixonada?". " Você se acha engraçada apaixonada?". "Não sei,talvez...". Tensão na mesa, um certo desconforto de ambas as partes.
 "Você me acha engraçada?". Ele sorri." Acabei de rir, então para mim você é engraçada." "Qual é mesmo o nome dessa música?". "Não lembro..." "Sabe o que eu acho engraçado?" "Fale-me você". Ela sorri e assim diz. "Acho engraçado, nós, aqui nessa mesa de bar,fedendo a tabaco"."Sim, isso talvez..." "Você já amou?" "Eu nunca quis amar"."Mas amar é uma questão de querer?" "Não sei talvez...Mais uma dose?" "Mais uma talvez!".