30 de nov de 2012

Por mais que os meses passem, os dias surjam e você envelheça e não me reconheça, você sempre será aquele velho jovem otário que me custou muitas folhas e linhas amareladas e amargas. Não quero te ver. Não tão já, meus sentimentos ainda não merecem confiança.
De fato, estou presa em fatos desnecessários, em escolhas ordinárias,  em caminhos desnudos. Ir ou não ir? Eis a questão! As luzes do palco já se apagaram, desnudo-me. Livro-me da mascara, do figurino, do brilho no olhar. Aponto, com as mesmas mãos que a pouco afagavam, desminto, implico, critico, cuspo e vomito toda verdade daquela realidade.
Enfim calo-me. Olhares pasmos, julgamentos incrédulos, o júbilo, por fim, o ultimo. Mudo. Mundo. Agudo. Pontiagudo. Deveras passado recente,escolhas descrentes, caminhos desnudos.Por mais que os meses passem, os dias surjam e você envelheça e não me reconheça, você sempre será aquele velho jovem otário.  

22 de nov de 2012

 O mundo vai mal. Na verdade eu vou mal. Os tempos andam difíceis, meus joelhos fraquejam,  minhas mãos não têm mais forças para segurar firme. Na mesa do almoço, meu estomago revira, tento segurar, mas mais uma vez a realidade e os desvios são vomitados e cuspidos, com um gosto horrível de amargo, possivelmente do suco gástrico ou algo do tipo.
 Abro a porta, sigo só na cidade desacreditando na realidade que me acompanha. Queria descansar por um momento, deitar na cama em posição fetal, me esconder e não ver mais, não ver mais... Mas a brutalidade da realidade espanca e faz sangrar. Dramático?  Talvez, mas a vida é sádica, ela ri com seu jogo, onde as peças somos nós.
 Esse aperto na garganta e essa angústia, que me revira o estomago, parece nunca sessar.De fato são tempos difíceis. E a hipomania parece contribuir com isso. Maldita falta de sono que faz com que a libido aumente!!
  Repetição repentina. Tudo gera sem sentido. Até porque o mundo vai mal. Na verdade eu vou mal...

13 de nov de 2012

Dança concretada

 São mantos de mistérios, mistérios tocados e dançados pela noiva ou puritana,pelo caos ou pela lama, pela hipocrisia ou ignorância, simples.Mente. Assim. Narrada e escrita por uma viajante descrente. Mas que merece ser dita e narrada essa chuva de arte, essa dança concretada.

1 de nov de 2012

Fração de sentimentos

 Um dia tudo acaba, a dor separa, o medo agarra e a gente grita.
 Um pouco mais cedo, encontrava-se uma felicidade imensa. O motivo? Não sei. Mas a noite caiu rapidamente, cai junto  algo estranho, amedrontador. Felicidade não se sentia mais,alias, não se sentia nada mais...
  Era onze e meia da noite, escuta-se apenas uma frase, depois as lagrimas e o júbilo. Devo estar enlouquecendo de vez. Mas não posso negar, naquela noite ouvi sua voz novamente, ela veio junto com a briza leve que entrou pelas frestas das janelas, e em segundos se apoderou de meu quarto e aos poucos de meu sentido. Foi então que veio o pranto. Apenas uma frase gritou e machucou. "Você apenas está tentando entender o que houve entre vocês.". Simples mas tenebrosa e perigosa. Atônita sentada estava, olhar fixo, tudo se embaralhou depois.