15 de ago de 2014

Ser-me toda, ser-me meia

 Essa vontade de ser-me toda. Mas toda não posso ser. Esse balbuciar aclamado. O dia em que tudo desmoronou. O dia em que ser-me toda não funcionou. Falta uma parte. A parte que falta e afoga metade de todas as partes. Essa metade afogada que cria uma nova parte. Uma parte não completa renomada e abestalhada. Ser-me toda não posso mais. Ser-me meia não basta mais. Partes denominadas inteiras... Besteiras... sem mais! O dia que nunca mais acabou. O dia que não acabou mas não continuou. O dia que tardou mas adiantou. O dia que fez a parte virar toda e ser-me toda em todas as tardes...

Nenhum comentário:

Postar um comentário