30 de nov de 2011

 Sou tão ruim assim?
 Essa questão pouco me importa. A minha preocupação se volta para as pessoa ao meu redor.
 Por mim não teria nenhuma, viveria isolada, longe de tudo e de todos. Assim não poderia magoa-los, descontar neles o que de fato é problema meu.
 Por mim viveria em um lugar onde não haveria vida, exceto a minha. Assim não poderia infligir nenhuma regra, acabar com algo, ou simplesmente faze-la dissipar.
 As vezes necessito isolamento, tanto material como mental.
 Há um monstro que aos poucos esta me tomando. Ele é muito conhecido como o ódio.Esse sentimento denominado pelo dicionario como sentimento de profunda inimizade, ira contida,rancor violento e duradouro...
 Isto esta me consumindo, estou tentando barra-lo, não deixa-lo se apoderar. Mas esta sendo complicado.
 Sem isolamento acaba dificultando minhas tentativas.
 Talvez eu me afaste das pessoas por um tempo, talvez não...
 Não. Não consigo me afastar delas, são tudo para mim, necessito delas, das companhias, das conversas. Isso me mantém viva! Isso me dá força!
 Só que essa escolha de não afasta-las pede um preço. A magoa.
 Esse é um preço muito grande, mas não sou eu quem paga, as vezes, mas não sempre. Geralmente são as pessoas que eu insisto em manter perto que arcam com as consequências.
 E isso tudo porque sou egoísta o suficiente para não afasta-las. Esse meu egoísmo de pensar só no que vou sentir, não me interessando com o que estou fazendo para os outros. Isso faz com que eu acabe tomando uma certa conclusão:
 O monstro não é o ódio,mas sim, eu.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário